Veja como tornar o seu lar em um ambiente mais seguro e confortável para uma boa convivência entre as suas crianças e animais de estimação!

Ter crianças e animais em casa é garantia de diversão e alegria todos os dias. Mas, para que a rotina não vire uma bagunça e essa convivência seja a mais saudável, tomar alguns cuidados é crucial. 

Para te ajudar a cuidar da relação dos seus bichinhos de estimação com a garotada, a Red Balloon preparou um manual completo sobre o assunto. 

A infância é uma das fases de maior descobertas e pode ser ainda mais enriquecida ao lado de um animal. Isso porque o contato mais próximo com a natureza aguça sentidos e habilidades com muito mais propriedade.

Então, para descobrir como aproveitar os benefícios da convivência entre crianças e animais, continue a leitura!

Importância e benefícios da relação entre crianças e animais

A psicologia e algumas áreas específicas da medicina utilizam a experiência com animais como forma de tratamento de doenças e transtornos psicológicos. No entanto, pessoas saudáveis também podem ter bons resultados convivendo diariamente com pets. E para a criançada, que é puro afeto e energia, essa é uma amizade que pode ir longe.

Sabendo disso, manter crianças e animais juntos pode ser uma ótima maneira não apenas de prevenir ou tratar determinados problemas, como trabalhar diferentes aspectos do desenvolvimento infantil

Alguns dos benefícios dessa parceria dos seus filhotes com os amiguinhos de patas são:

  • Estimula a empatia e o afeto

O animal age em troca de carinho e segurança. Não muito diferente, a criança é um ser social e tem facilidade em criar vínculos com aquilo que a cativa. Logo, o resultado dessa troca de carinho e interação acaba sendo um afeto genuíno e um olhar empático para os outros ao seu redor.

  • Forma o senso de responsabilidade

Com o passar do anos e a convivência direta, a criança começa a entender que o seu bichinho de estimação depende dela e da família. Por se tratar de uma troca genuína, o seu filho adquire um senso de responsabilidade e cuidado de modo muito mais natural. É importante porque esse amadurecimento surge de forma leve, sem tirar a liberdade da infância.

  • Fortalece o desenvolvimento cognitivo

Crianças e animais juntos são sinônimo de festa e de aprendizado. Lembrando que é possível aprender brincando, as atividades desenvolvidas com os pets são excelentes para fortalecer as funções cognitivas. É o que diz um estudo de Robert Poresky professor universitário da Kansas State University. Segundo a pesquisa, famílias com bichos de estimação desenvolvem um nível mais avançado de habilidades motoras e sociais.

  • Aumenta a imunidade do organismo

Também existem estudos que indicam que o convívio de crianças e animais aumenta a imunidade dos pequenos. Isso pois o contato precoce com os microrganismos presentes em animais domésticos contribui para que o corpo forme sua defesa. Assim, as chances do seu filho desenvolver alergias e problemas respiratórios como asma e rinite são consideravelmente menores.

Como escolher o pet ideal para o seu filho?

Faça muita pesquisa antes de escolher o novo amigo da família!

Muita calma e responsabilidade na hora de inserir uma rotina entre crianças e animais. Afinal, mesmo com tantos benefícios é fundamental entender bem sobre os bichos antes de adotá-los. 

Esse cuidado é necessário para que o pet escolhido se adeque a rotina da sua casa de forma saudável. E claro, as crianças da casa também precisam se sentir conectadas com o animal.

Levando em conta que cada indivíduo tem sua própria personalidade e cada espécie (e raças) têm perfis comportamentais diferentes, algumas características iniciais precisam ser observadas.

Para te ajudar na escolha, abaixo fizemos uma seleção com os animais domésticos mais comuns e seus traços mais importantes. Dá só uma olhada:

  1. Comportamento de cães em casa

Os cães são os bichos domésticos mais populares e uma das primeiras menções quando o assunto é crianças e animais. Embora conhecido como o melhor amigo do homem, a raça, a criação e a personalidade do cãozinho podem influenciar muito no seu relacionamento com humanos. Por essa razão, vale pesquisar a fundo o histórico da raça e conversar com adestradores para entender melhor o perfil do dog.

De antemão, lembre-se que cachorros precisam de espaço para brincar, correr e interagir — semelhante às crianças na primeira infância. A demanda de atenção para esse animal é extremamente alta, requerendo cuidados durante o dia inteiro. 

Além disso, é importante só adotar se você tiver tempo e disposição para entender o básico de treinamento e psicologia canina. O novo amiguinho da família também trará gastos com saúde e precisará de uma alimentação adequada. 

  1. Comportamento de gatos em casa

Os gatos competem a preferência no quesito crianças e animais domésticos, porém estes possuem uma personalidade muito diferente. Esses bichanos são super carinhosos, apegados e leais aos seus tutores.

O que muita gente desconhece é que gatos também podem aprender truques e também precisam de que seus tutores aprendam o básico de psicologia felina, para que todos da família entendam as demandas uns dos outros. 

Além disso, contrariando o senso comum, os gatos não devem ter acesso livre à rua. Os tutores podem ensiná-los a andar na guia como os cães ou, caso o novo amigo não demonstre interesse, o tutor deverá adaptar o espaço da casa, enriquecendo o ambiente para que o novo amigo da família tenha interesse em se conectar com o espaço e gastar energia. 

O hábito de brincadeiras e diversão dos gatos está muito associado ao seu instinto de caça. Por isso, as famosas varinhas, bolinhas saltitantes e arranhadores são os passatempos preferidos desse pet.

Para os filhos com mais autonomia, mais calmos e introspectivos, é possível construir uma boa relação de respeito e amizade com gatos de perfis mais calmos. Para crianças com muita energia, é possível adotar um filhote ou um amiguinho que também tenha muita energia para gastar. O importante é que a criança aprenda a respeitar os limites do novo amiguinho. 

  1. Comportamento de hamsters em casa

Os hamsters são pequenos roedores são ótimos para despertar o afeto e a responsabilidade da garotada. Como são aparentemente mais frágeis que outros bichinhos, por serem pequeninos, é preciso ficar em alerta com sua segurança.

Para quem tem um espaço mais restrito para crianças e animais, os hamsters se adequam muito bem. 

Aqui o seu pet só precisará de uma gaiola (com um espaço adequado para a espécie) segura para dormir, comer e fazer suas necessidades. 

Durante os momentos de interação ele pode ficar solto pela casa, mas é sempre indispensável ter alguém monitorando o roedor.

  1. Comportamento de peixes em casa

Peixes são outra opção de animal para quem mora em apartamento pequeno ou condomínio sem alternativas de lazer para pets. Mesmo sendo um bichinho que permite poucas interações, as crianças e responsáveis criam laços interessantes com os nadadores de estimação. 

É comum que os donos de peixes até conheçam os costumes e rotinas dos seus bichinhos aquáticos. Assim é possível descobrir qual o hábito de sono do peixe, horários de maior interação com os artefatos do aquário e ainda perceber o seu estado de humor em cada momento. Ou seja, com atenção e cuidado dá para se divertir bastante acompanhando os peixinhos.

  1. Comportamento de tartarugas em casa

Tartarugas são tranquilas e dóceis na maioria das situações, oferecendo um nível a mais de segurança para as crianças. Contudo, mesmo sendo sossegadas, as tartarugas precisam de um espaço amplo e adequado para sua criação. O ideal é ter um tanque ou quintal onde seja possível ter água e areia para a tartaruga se locomover à vontade.

Vale lembrar que tartarugas exigem vários cuidados e possuem uma expectativa de vida longa. Isso significa que seu filhote estará não apenas assumindo uma grande responsabilidade, mas ganhando uma companheira para a maior parte da vida. E quando criadas em um ambiente calmo, esse réptil se torna muito carinhoso e confiável.

Lembre-se de sempre conferir a legislação sobre quais animais são permitidos para cuidados domésticos

Guia de segurança para a convivência entre crianças e animais

A interação entre crianças e animais pode ser muito positiva para todos da família!

Como a sua casa é o principal lugar onde as crianças e animais vão viver e interagir, é fundamental que ela seja segura. 

Pensando nisso, fizemos um guia de segurança com as principais dicas de hábitos e organização do lar para crianças e animais viverem bem. Aproveite!

  1. Cuidado com as alergias 

Se o seu filho já tiver alergias tópicas ou respiratórias quando o animal chegar à família, o cuidado deve ser redobrado. Animais muito peludos podem ser o gatilho para as crises, então consulte o médico da criança para descobrir como evitá-las. Evitar deixar os bichanos dormirem na cama e no sofá, por exemplo, reduz as chances das alergias atacarem.

  1. Não descuide da saúde do pet

Crianças e animais podem transmitir doenças um para o outro, por isso a visita ao veterinário deve estar sempre em dia. Ao menor sinal de qualquer irregularidade com a saúde do pet, marque uma consulta para investigar a situação. Os tratamentos prescritos pelo especialista devem ser seguidos rigorosamente até que o bichinho se recupere completamente.

Da mesma forma, não deixe de vacinar as crianças e os animais da casa para que eles se mantenham saudáveis, alegres e sem restrições para o convívio. 

Ah, e lembre-se sempre dos cuidados preventivos contra as pulgas e os carrapatos. A higiene do animal, como banho e a  limpeza diária das patinhas e escovação dos dentes, faz parte desse processo.

  1. Atenção para o temperamento animal

Como mencionamos, cada animal tem sua própria personalidade e temperamento. Isso significa que mesmo espécies tranquilas podem ter alguns bichinhos antisociais. Sabendo disso, é importante conhecer o seu pet antes de deixá-lo brincar com seu filho sem supervisão.

De todo modo, mesmo que o seu amigo de patas seja o mais dócil e amigável, ensine as crianças a respeitar o seu espaço. Afinal, da mesma forma que os humanos têm alterações de humor, os bichos também têm seus dias mais reclusos. Respeitar esse momento garante a segurança de todos e uma boa convivência a longo prazo.

  1. Observe o comportamento da criança

E claro, o seu filho tem a própria personalidade, preferências de brincadeiras e hábitos de rotina. O comportamento dele deve ser observado para impedir que tenha ações que possam prejudicar ou irritar os pets, mesmo que sem intenção. Isso pois a inocência da criança muitas vezes não a permite perceber situações de risco ou inconveniência.

  1. Organize os espaços das crianças e dos animais

A organização do ambiente é uma das principais formas de evitar acidentes entre crianças e animais dentro de casa. Ou seja, espaços organizados contribuem para a segurança e saúde de todos. Uma dica é reservar alguns locais restritos apenas para os pets e outros apenas para a garotada.

Para as crianças, ensine-as a não compartilhar nem a cama nem a mesa com os animais, por exemplo. 

Para os bichos, escolha um local seguro e agradável da casa para colocar a ração, o tapetinho higiênico ou caixa de areia. Também é interessante providenciar uma caminha confortável e alguns brinquedos para o pet se entreter no seu próprio espaço.

  1. Se atente para a higiene da casa

Tapetinhos e caixas de areias devem ser limpos com frequência, enquanto o chão precisa ser varrido diariamente. Brinquedos, bebedouros e potinhos de ração precisam de pelo menos uma limpeza semanal. Aquários e tanques, no caso de quem cria peixes e tartarugas, devem seguir a recomendação de higiene do veterinário.

Entretanto, cuidado com os produtos de limpeza, pois muitos podem ser tóxicos para crianças e animais. Dê sempre preferência para aqueles que são ‘pet friendly’ explícitos no rótulo. Se o seu amiguinho de patas tiver alguma alergia, confira se a composição dos produtos é segura para higienizar o chão e os móveis com os quais o animal tiver contato.

  1. Saiba os limites da convivência de crianças e animais

Por mais que os animais sejam amados como parte real da família, é preciso estabelecer alguns limites de convivência

Hábitos como beijar os animais no focinho ou boca precisam ser deixados de lado. A higienização das mãos é indispensável sempre após os momentos de brincadeira. A comida dos humanos jamais deve ser compartilhada com os bichos de estimação. Além disso, as necessidades do animal devem ser respeitadas, tanto quanto às da criança.

Com a leitura desse guia de segurança para crianças e animais você conferiu os principais cuidados para manter a sua família saudável. Se você ainda não tem um pet, aproveite para escolher a espécie que mais combina com a rotina da sua casa e com a personalidade dos seus filhos. Então, agora, é só aproveitar todos os benefícios e diversão com a sua turminha completa.

E lembre-se que mais do que dicas de cuidados com os pequenos, a Red Balloon oferece o melhor ensino de inglês para crianças e adolescentes.
Clique aqui para encontrar uma unidade próxima de você e agende uma visita para conhecer as nossas turmas e projetos!