Aprendizagem criativa no ensino infantil

>

Você já ouviu falar em aprendizagem criativa? Essa abordagem tem ajudado a transformar a educação e a tornar o processo de aprendizado mais prazeroso, ágil e consistente para os alunos. 

A verdade é que o ambiente educacional tem um potencial que vai bem além de preparar os alunos para provas ou muni-los de conhecimentos teóricos considerados indispensáveis. Sobretudo na infância, ele exerce um papel-chave no desenvolvimento de diversas habilidades e capacidades dos alunos – entre elas, a criatividade.

A seguir, conheça mais sobre a aprendizagem criativa no ensino infantil e como ela já é aplicada e pode gerar benefícios para o desenvolvimento e a educação de seu filho. Acompanhe.

Como surgiu e o que é a aprendizagem criativa?

A aprendizagem criativa, com essa denominação, surgiu a partir das proposições do matemático e educador Seymour Papert. Foi ele quem desenvolveu tal teoria, com apoio da equipe do MediaLab do MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Tal abordagem educacional preconiza que o estudante poderá ter um aprendizado mais efetivo no caso de ele estar engajado na construção do conhecimento e se esse conhecimento for significativo para ele.

Esse processo se baseia em um espiral de aprendizado – iniciando pela imaginação da criança, sua criatividade, passando pelo processo de brincar e de compartilhar e chegando à reflexão, voltando, então, para a imaginação. 

De forma sucinta, pode-se dizer que a aprendizagem criativa no ensino infantil auxilia a engajar os estudantes com o conteúdo proposto, a criar soluções para os problemas apresentados e a construir seu conhecimento de modo muito mais ativo do que nos métodos convencionais. Essa metodologia ajuda os professores a estimular a curiosidade e o interesse dos alunos e, ainda, aguça sua criatividade. 

Na prática, essa abordagem engloba tudo aquilo que se opõe ao processo maniqueísta de, simplesmente, decorar informações achando que tê-las memorizado é sinônimo de tê-las aprendido. Aqui, o processo criativo de conectar ideias, de pensar sobre o problema, de criar caminhos para solucioná-lo é a chave para um aprendizado real e significativo.

Para isso, pode-se utilizar diversos recursos, entre eles: 

  • Conjectura: solicitar aos alunos que decifrem as informações que estão faltando em um dado contexto.
  • Raciocínio abdutivo: estimular que os estudantes formulem teorias para explicar suas observações e conclusões.
  • Perguntas hipotéticas: fazer perguntas que contêm cenários imaginários, para estimular o interesse do aluno e sua capacidade criativa.
  • Perguntas abertas: em oposição às tradicionais perguntas fechadas, apenas com uma resposta “certa”. Aqui, o aluno pode chegar à sua conclusão por diferentes caminhos e de modo mais ativo e crítico. 
  • Pensamento contrafactual: propor atividades que estimulem os alunos a considerarem como as mudanças nos fatos históricos poderiam ter mudado o futuro.
  • Improvisação: apresentar jogos e exercícios projetados para estimular a improvisação e a criatividade dos alunos.
  • Criatividade de restrições: adicionar aos desafios restrições à sua resolução para estimular a criatividade dos estudantes. 
  • Testes e experimentos: incentivar os alunos a desenvolverem hipóteses e depois conduzir testes e experimentos para apoiar, refutar ou validar tais ideias.
  • Análise do todo: solicitar aos alunos que dividam coisas/conceitos em suas partes componentes.

Ainda, é importante também que a escola preveja o tempo demandado para atividades que promovam o pensamento criativo e crítico do aluno; recompense e valorize as contribuições dos alunos e as soluções originais e “fora da caixa” trazidas por eles; incentive os jovens a correrem riscos calculados em seus projetos; ajudem a criança a desmistificar o erro e a percebê-lo como uma oportunidade de aprendizado; coloquem o aluno em contato com outras culturas e pontos de vista; forneça feedback construtivo ao jovem; foque mais no poder da cooperação do que na competição nociva; proporcione experiências de aprendizado contextualizadas à vida real, entre outras iniciativas. 

Quais são os 4Ps da aprendizagem criativa?

Os quatro princípios da aprendizagem criativa foram definidos como:

  1. Project (Projeto): deve-se desenvolver um projeto que seja envolvente e faça sentido ao aluno, para que ele consiga extrair um significado contextualizado para esse conhecimento.
  2. Passion (Paixão): propor atividades que realmente envolvam os alunos, estimulando seu interesse e sua paixão pelo aprendizado. 
  3. People (Pessoas): na aprendizagem criativa, compreende-se que o processo de aprendizado pode ser mais rápido, rico e criativo se compartilhado com outras pessoas.
  4. Play (Brincar/Pensar brincando): nessa metodologia, compreende-se que no brincar a criança consegue colocar em prática todos os Ps anteriores, vivenciando e experienciando o conhecimento adquirido ou, ainda, brincando enquanto aprende, tornando o processo mais lúdico, dinâmico e prazeroso.  

Quais são os benefícios potenciais da aprendizagem criativa dentro e fora de sala de aula?

Como você já pode estar imaginando, estimular a capacidade criativa das crianças pode trazer diversos benefícios a elas como estudantes e como cidadãs ativas e pensantes em uma sociedade com problemas cada vez mais complexos. 

Entre esses benefícios, podemos destacar: 

  • Tornar a escola e o ambiente escolar mais agradáveis e convidativos aos alunos, estimulando seu interesse nas aulas e nas propostas apresentadas pelos professores.
  • Deixar o processo de aprendizado mais fluido, interessante e divertido, o que potencializa o bom desempenho da criança e seu comprometimento.
  • As atividades e os resultados trazidos pela aprendizagem criativa no ensino infantil ajudam a tornar a criança mais autoconfiante, a partir do desenvolvimento de suas habilidades e do reconhecimento de seu potencial. 
  • Conhecer seu potencial criativo é, também, um processo imersivo de autoconhecimento, que contribui para que a criança desenvolva sua personalidade e identidade.
  • As atividades propostas nessa abordagem ajudam o jovem a desenvolver a capacidade de se posicionar, defender uma ideia, trabalhar em grupo, cocriar soluções, entre outras cada vez mais necessárias em nossa sociedade.
  • Nossa sociedade se desenvolve a partir da criação e do potencial imaginativo das pessoas. E essas deverão ser cada vez mais requeridas no ambiente profissional e social.

A aprendizagem criativa em sala de aula

Aulas com metodologias convencionais comumente não favorecem ou estimulam o desenvolvimento e a expressão da criatividade dos estudantes. Isso ocorre em salas de aula por meio de ações como a inibição ao “pensar fora da caixa”, a desvalorização ou a ignorância das ideias e sugestões dos alunos e quando os professores são autoritários e excessivamente controladores, por exemplo. 

Em oposição a isso, estão as escolas que utilizam recursos como a aprendizagem criativa no ensino infantil. Nessas, compreende-se que a criatividade é uma habilidade que precisa, sim, ser trabalhada e valorizada; oportuniza-se ao aluno que ele tome decisões, o que favorece a criação do senso de corresponsabilidade pelo seu desenvolvimento e seu foco e engajamento com o aprendizado; tem-se que o aprendizado não depende de ambientes cheios de regras fechadas e padronizações, mas que é um processo orgânico, heterogêneo e dinâmico.

Tudo isso é tangibilizado, por exemplo, por meio de métodos e abordagens como gamificação, hands on, design thinking, cultura maker, entre outras focadas em tirar o aluno da passividade e posicioná-lo como sujeito ativo de seu desenvolvimento, por meio de práticas interessantes e engajadoras.

É importante lembrar de que as primeiras manifestações de pensamento criativo comumente iniciam na infância, sobretudo quando as crianças ingressam em sua vida escolar. Por isso, é fundamental que os pais avaliem com atenção e cuidado as práticas, metodologias e abordagens adotadas pelas escolas. 

Criatividade: uma habilidade que pode ser estimulada

Todos nós nascemos criativos. Porém, alguns desenvolvem mais esse potencial, outros nem tanto. No entanto, cada vez mais, essa será uma habilidade requerida pela sociedade e pelo mercado de trabalho. 

Pense só: tecnologias, maquinários, métodos produtivos – tudo isso, em boa medida, pode ser comoditizado. O que irá diferenciar as empresas e criar vantagens competitivas sólidas é seu capital humano, por meio de sua capacidade criativa.

Por isso, é importante estimular a criatividade desde cedo. Isso, naturalmente, sem sobrecarregar a criança, mas de modo lúdico e prazeroso. 

Como ajudar a estimular a criatividade das crianças em casa?

Os pais também podem criar ambientes e oportunidades positivos, atrativos e divertidos para estimular a criatividade das crianças em casa. Entre essas possibilidades, estão:

1. Promover jogos em família

Além de serem bons momentos de integração e lazer, os jogos podem ajudar seu filho a desenvolver diversas habilidades – entre elas, a criatividade. 

Os jogos favorecem o incentivo à criação de reflexões e novas respostas, o foco e a dedicação das crianças enquanto elas se divertem.

2. Realizar atividades que envolvam música

A música ajuda a criança a conhecer novas palavras, sons e a fazer novas conexões. Atividades que envolvam sons diferentes ou mesmo a construção de instrumentos ou a criação de uma letra podem ajudar bastante a criança a trabalhar sua capacidade criativa. 

3. Ajudar a criança a ver o erro como oportunidade de aprendizado

Uma das maiores barreiras para nossa criatividade é o medo de errar. Muitas vezes, por esse receio, as crianças deixam de tentar algo novo, de dar uma ideia ou de realizar atividades de modos diferentes. 

É importante ajudá-la a perceber que somente erra quem tenta algo novo e que cada erro traz consigo um aprendizado. Desse modo, ajudá-la a desmistificar as tentativas frustradas como algo essencialmente ruim irá torná-la mais aberta a explorar novos caminhos e a expor suas ideias.

Aprendizagem criativa na Red Balloon

Na Red Balloon, valorizamos e incentivamos a criatividade dos jovens enquanto eles aprendem inglês. Temos um comprometimento com o desenvolvimento mais integral dos estudantes, sem a compartimentalização de seus conhecimentos. 

Com isso, conseguimos proporcionar a eles aulas mais lúdicas, dinâmicas, criativas e envolventes, que aceleram seu aprendizado, tornando-o mais consistente e divertido. 

Nas unidades da rede, os estudantes trabalham, por exemplo, conceitos de robótica, engenharia e artes enquanto utilizam o inglês. Dessa forma, a capacidade criativa, expressiva e diversas outras habilidades são incentivadas, aguçando a curiosidade dos jovens e ajudando-os a integrarem-se de modo ativo às novidades e às demandas do mundo atual.

E para que tudo fique ainda mais interessante e motivador, na Red Balloon são promovidos diversos eventos que promovem o contato das crianças com outras culturas, visões de mundo e aumentam não apenas seu repertório de palavras em inglês, como também sua vivência e seu genuíno interesse em novas experiências. 

E, para embasar tudo isso, aplicamos a aprendizagem criativa por meio da cultura maker (mão na massa), associada à abordagem interdisciplinar STEAM (que mobiliza diversas áreas do conhecimento para preparar o aluno para criar soluções de problemas no mundo real). 

E você, o que achou sobre a aprendizagem criativa no ensino infantil? Que cuidados e ações você realiza para incentivar o desenvolvimento integral de seu filho? Compartilhe suas experiências pelos comentários!

Compartilhe:

Deixe seu comentário:

Siga nosso instagram!